Ferramentas DAPP

Baixada e interior passam registrar maior parte dos homicídios do Rio em dez anos, aponta pesquisa

Participação das regiões em assassinatos no estado passa de 48% para 65% entre 2006 e 2016, ampliando a mancha criminal, de acordo com dados do ISP

há 7 meses

A mancha criminal no estado do Rio ampliou-se para novas regiões nos últimos dez anos, agravando-se, principalmente, na Baixada Fluminense e no interior. Levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV/DAPP) a partir de dados publicados pelo Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro (ISP) aponta que ambas localidades concentravam 48% dos homicídios dolosos em 2006, alcançando o patamar de 65% em 2016. Já a capital registrou redução no total de assassinatos registrados no período, passando de 39% a 26%.

O cenário da década — período que compreende a gestão mais duradoura da Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro — evidencia que, apesar da redução considerável das taxas de homicídio doloso no estado durante o período, o espalhamento da mancha criminal para Baixada e o interior tornou-se um novo desafio. O panorama na capital, porém, também tem pontos críticos: embora registre queda de 46% no número de homicídios entre 2006 e 2016, os desaparecimentos aumentaram 51% no período. Em 2015, a taxa de desaparecidos alcançou o ápice: 38,36 a cada 100 mil habitantes.

Confira a íntegra do estudo em PDF