Ferramentas DAPP

Bolsa Família emerge como agenda de polarização, mostra DAPP Report

Pesquisas impulsionam debate sobre Marina; greve dos caminhoneiros estimula crítica ao governo no setor econômico

há 5 meses

Nova edição do DAPP Report  — A semana nas redes mostra que o principal destaque temático desta semana foi a emergência do Bolsa Família como agenda de polarização entre esquerda e direita, com diferentes atores políticos se posicionando em defesa do programa — Geraldo Alckmin, Bolsonaro e João Amoêdo, dentre outros. Por isso (e pelo debate decorrente do combate à pobreza), a categoria “Desenvolvimento social” teve aumento de presença no debate temático relacionado aos atores políticos, como visto no gráfico a seguir.

>> Confira a íntegra do DAPP Report

Entre os atores de maior citação na temática de corrupção, Ciro Gomes aparece com relevante volume de postagens, sobretudo por conta da discussão sobre eventual aliança política entre as esquerdas, com postagens críticas associadas à imagem do PT e à articulação com partidos como DEM e PP (alvos de rejeição por grupos à esquerda). Já Bolsonaro, cujo debate vinculado à corrupção em geral é engajado por seus seguidores, que o posicionam em oposição ao restante da classe política, tem recebido maior quantidade de menções negativas. Perfis citam o deputado federal por comentários sobre sonegação de impostos e por desfrutar de privilégios como parlamentar; também em vínculo temático com a corrupção, os núcleos pró-Bolsonaro acusaram a pesquisa eleitoral do último domingo de prejudicá-lo de forma intencional.

Pesquisas impulsionam debate sobre Marina

O levantamento ainda aponta que Marina Silva, mais bem posicionada que Ciro na pesquisa eleitoral divulgada no último fim de semana, ampliou, brevemente, a participação no debate político em função do impacto de seus números no levantamento. No domingo, conseguiu superar Ciro e ficar em 3º lugar (atrás de Lula e de Jair Bolsonaro) entre os atores mais citados no Twitter, tanto por perfis à direita, do núcleo de apoio a Bolsonaro — que questiona a legitimidade das pesquisas de opinião —, quanto à esquerda, pelo grupo pró-Lula.

Entre os dias 6 e 12 de junho, foram coletados 1.278.898 tuítes e 887.715 retuítes sobre os possíveis candidatos à Presidência. O mapa de interações mostra que três grupos permanecem em destaque: o vermelho, o azul e o rosa, que não mostra alinhamento político claro, a não ser quando o assunto é o deputado federal Jair Bolsonaro. O pré-candidato é amplamente criticado pelos perfis do grupo rosa, que possui um viés mais progressista no que diz respeito a pautas sociais como os direitos de minorias, por exemplo.

Greve dos caminhoneiros estimula crítica ao governo

Nesta semana, por mais que as discussões a respeito da greve dos caminhoneiros tenham arrefecido, seus reflexos ainda são discutidos na seara econômica, paralelamente a outros temas. Dentro do predomínio usual de menções ao desemprego, por exemplo, destacam-se críticas aos esforços do governo em afirmar que há melhora na economia tendo em vista os reflexos da greve.

O debate sobre inflação também continua centrado nesta temática, tanto pelas notícias de redução dos preços administrados de combustíveis quanto pelo resultado mensurável nos indicadores de inflação, que já revelam o impacto negativo da greve.

 


Veja mais sobre: , ,