Ferramentas DAPP

#Brasil em greve: estudo analisa o movimento de apoio à paralisação geral nas redes sociais

Menções relacionadas à greve geral no Twitter ultrapassaram a marca de 1,1 milhão, representando a maior ação de oposição ao governo Temer em um ano

há 5 meses por Thomas Traumann, Amaro Grassi, Danilo Carvalho da Silva, Humberto Ferreira, Lucas Calil

cover_post_blog

Na mais recente edição do DAPP Report, a Diretoria de Análise de Políticas Públicas da FGV levantou dados sobre a repercussão da greve geral de 24 horas realizada na sexta-feira (28 de abril) pelas centrais sindicais e por movimento sociais. O levantamento mostra que o movimento de apoio à paralisação nas redes sociais foi a maior ação da oposição ao governo Temer em um ano. As menções relacionadas à  greve geral no Twitter ultrapassaram a marca de 1,1 milhão.

O volume faz do evento o maior nas redes dos últimos anos, superando inclusive os maiores atos em favor do impeachment, ocorridos em março de 2015 e março de 2016. Para efeitos de comparação, a votação para abertura do processo de impedimento da Presidente Dilma Rousseff, em abril do ano passado, mobilizou 1,5 milhão de menções.

A dimensão do movimento de greve geral, cuja principal hashtag foi #BrasilemGreve, representa nesse sentido o momento mais crítico para o Governo Michel Temer desde o seu início. Na esteira da aprovação da Reforma Trabalhista na Câmara dos Deputados e do avanço da Reforma da Previdência, pela primeira vez um movimento de dimensões similares aos verificados nos últimos anos é bem-sucedido.

A lista de termos mais frequentes nas menções relacionadas aos protestos reforça o teor dos atos, concentrados na oposição às “reformas” — trabalhista e previdenciária — e na perda de “direitos”, síntese da narrativa mobilizada pela oposição ao governo Temer.

Entre os atores mais mencionados, aparecem o Presidente Michel Temer e, na sequência, o deputado Jair Bolsonaro, o ex-presidente Lula e o prefeito de São Paulo, João Doria. Bolsonaro e Doria mais uma vez, portanto aparecem como os atores que capitalizam o momento político entre os azuis. Entre os vermelhos, é Lula que continua como principal liderança, bem à frente de Ciro Gomes, por exemplo.

>>> Confira a í­ntegra do relatório:

facebook


Veja mais sobre: , ,