Ferramentas DAPP

DAPP discute modos de combater ‘fake news’ e robôs em congresso em Washington

Diretor Marco Aurelio Ruediger fala no Alt Facts Forum da interferência ilegítima de robôs no debate público na web sobre a política brasileira

há 2 semanas

A Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da FGV participou, entre os dias 02 e 03 de novembro, do fórum internacional “Policy Research vs. Alternative Facts: Will Think Tanks Become the Casualties in the Guerrilla War of Ideas?”, promovido pela Universidade da Pensilvânia em parceria com a Fundação Getulio Vargas. O evento realizado em Washington reuniu 45 think tanks com o objetivo de discutir o papel dessas instituições na promoção de um debate público qualificado sobre a política em diversos níveis de governo em um contexto de emergência de fake news e campanhas de desinformação.

A FGV/DAPP foi representada no Alt-Facts Forum pelo diretor Marco Aurelio Rudieger, que apresentou o recente trabalho da unidade sobre o uso de contas automatizadas em momentos-chave da política brasileira. O estudo “Robôs, redes sociais e política no Brasil: interferências ilegítimas no debate público na web, riscos à democracia e processo eleitoral de 2018” aponta que na greve geral de abril de 2017, por exemplo, mais de 20% das interações ocorridas no Twitter entre os usuários a favor da greve foram provocadas por esse tipo de conta. Durante as eleições presidenciais de 2014, os robôs também chegaram a gerar mais de 10% do debate.

— O modo como as redes sociais estão sendo utilizadas e manipuladas para ajustar agendas e interesses de grupos particulares é central na política brasileira e internacional. Essa questão está sendo pensada por todos os think tanks de ponta, como pudemos ver no fórum em Washington — apontou Ruediger. — Esse é um fenômeno que vai acontecer com uma intensidade muito maior nas eleições de 2018, ainda mais porque há agora recursos públicos envolvidos na utilização de redes sociais. O nosso trabalho busca investigar e propor soluções para manter as redes como um canal aberto para todos e ao mesmo tempo não permitir distorções que ameacem a democracia.