Ferramentas DAPP

Debate nas redes sobre criminalidade aponta naturalização do medo, mostra pesquisa da FGV/DAPP

Levantamento aponta 42,3 mil menções no Twitter relacionadas à medo e insegurança, destaque para a cidade do Rio de Janeiro com 17% desses tuítes

há 3 meses

Levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV/DAPP) sobre o debate nacional acerca da percepção de medo e insegurança apontou 42,3 mil menções ao tema no Twitter entre 6 de julho e 17 de agosto. Cerca de 32% do debate se concentra no estado do Rio de Janeiro, com um total de 13,4 mil menções no período. A cidade do Rio responde por 17%, totalizando 7 mil menções.

Nesta última semana, houve aumento relativo na participação do Rio na discussão, com 37% das menções no estado (20% na capital) em decorrência, principalmente, de postagens sobre as mortes de policiais e menções gerais sobre a “sensação” (8% dos tuítes destacam a palavra) de insegurança — vale destacar que a presença de militares no Rio não acrescentou, quantitativamente, muito à discussão. Outro destaque é o aspecto irônico de muitas postagens no Twitter — com muitos compartilhamentos — que destacam a inevitabilidade da violência no país (e no Rio, em especial) com piadas e hipérboles, acentuando a posição de descrença das pessoas em relação ao cotidiano de violência.

Nesse debate “naturalizado” de medo, a principal manifestação associada a algum crime diz respeito exatamente à preocupação com com roubos (19%), e 12% com tiros; inclusive, com uma particularidade: o medo de perder o celular, presente em 3% do debate. Na última semana, entre 10 e 16 de agosto, também se destacam postagens que falam da dificuldade de se dormir em regiões que sofrem com tiroteios constantes.

O debate apresenta baixa oscilação quantitativa entre as semanas analisadas, evidenciando a naturalização do medo. O único pico de postagens, ocorrido entre o fim de julho e o começo de agosto, decorre de tuítes irônicos, de tom preconceituoso, que relacionam a criminalidade com determinadas torcidas de futebol.

Também se faz ausente a referência a instituições nesse debate, mesmo à presença das forças armadas no Rio. A discussão é dominada por notícias que destacam crimes cotidianos e postagens de cidadãos sobre o receio de ir a lugares, sair de casa ou visitar o Rio por causa da sensação de insegurança.

No que se refere ao debate sobre a polícia, nesse contexto, predomina o discurso de que os policiais são vítimas, assim como a sociedade civil, do crime, com ênfase a notícias sobre mortes de policiais. Por isso, não há atribuição textual às forças de segurança como responsáveis pela violência (e baixíssimo volume de menções a autoridades), com o único ator destacado, pelo engajamento a favor da polícia e a presença constante no debate, é o deputado federal Jair Bolsonaro, também apontado em reportagens como “beneficiário” da sensação de insegurança para as eleições de 2018.

Número de menções por semana:

6.800 menções – 2ª de julho
7.000 menções – 3ª de julho
6.300 menções – 4ª de julho
8.500 menções – 1ª de agosto
6.600 menções – 2ª de agosto
7.100 menções – 3ª de agosto
TOTAL: 42.300

Percentual no estado do Rio:

32% (13,4 mil)

Percentual da cidade do Rio:

17% (7 mil)


Veja mais sobre: ,