Debate sobre Brexit acumula 870 mil postagens em inglês no Twitter em dia decisivo

Mais de 60% das publicações dos principais influenciadores da rede questiona a legitimidade do primeiro referendo, as negociações de Theresa May e a campanha feita por defensores do “leave”

há 10 meses

To leave or not to leave? Chegado o momento da votação no parlamento britânico sobre o Brexit, as redes sociais se mantiveram a postos em campanha sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, ainda articuladas a partir da polarização entre defensores e opositores da medida, que persiste desde o referendo de 2016. Nesta terça-feira (15), essa disputa acumulou na região, em inglês, 869,9 mil postagens no Twitter — em debate que vem apresentando crescimento contínuo de volume desde 1º de janeiro (nestas duas semanas de 2019, até as 11h desta quarta (16), já são 5,8 milhões de tuítes no total).

A primeira-ministra britânica, Theresa May, sofreu expressiva derrota no parlamento na votação do projeto do governo — costurado junto à UE — de implementação do Brexit em definitivo. May está sob forte resistência de diferentes grupos, tanto favoráveis quanto contrários ao Brexit — inclusive de seu próprio partido, conservador —, e que disputam espaço em protestos do lado de fora do parlamento e nas redes. O binarismo da votação inicial (entre “leave”, sair; e “remain”, permanecer), no entanto, acabou se fragmentando: dentre os 30 tuítes de maior impacto e número de compartilhamentos, houve tanto 1) defensores de que o Brexit seja feito sem o acordo costurado por May (“no deal”); quanto 2) favoráveis ao “deal”, por minimizar o impacto do Brexit; e 3) contrários à saída da UE e que defendem novo referendo. Em todos esses cenários, a primeira-ministra é bastante criticada.

De forma geral, os “remainers” estão em vantagem no Twitter: mais de ⅔ das publicações dos principais influenciadores da rede questiona a legitimidade do primeiro referendo, as negociações de Theresa May e a campanha feita por defensores do “leave”. Destacam negativamente os potenciais resultados econômicos e sociais negativos para a Grã-Bretanha. A principal hashtag associada ao Brexit entre terça e a manhã desta quarta foi #Brexitvote (154,3 mil tuítes), seguida por #peoplesvote (78 mil tuítes), que apoia a realização de novo plebiscito sobre deixar o bloco europeu. A hashtag de maior repercussão entre favoráveis ao Brexit é #CleanBrexit (7,9 mil menções), e que também se opõe ao acordo de May.

Debate espalhado por todo o Reino Unido nas redes

Apesar de bastante concentrado em Londres e nas demais regiões metropolitanas da Inglaterra, o debate sobre o Brexit se espalha pelos quatro países que formam o Reino Unido — uma vez que a saída da União Europeia os impactará por igual nas relações com outras nações. A capital inglesa responde por 30% das menções identificadas nesta terça na região, bem à frente de Manchester (4%), de Glasgow (3%) e da capital da Escócia, Edimburgo (3%). A capital do País de Gales, Cardiff, tem 1% do debate geolocalizado, assim como a capital da Irlanda do Norte, Belfast. O mapa de calor mostra focos de postagens no Twitter mesmo em ilhas e regiões afastadas das principais aglomerações urbanas do Reino Unido. Nesta quarta, haverá a votação dos parlamentares da moção de “no confidence” contra o governo de May (destituição da primeira-ministra), que, se novamente derrotada, convocará novas eleições gerais — o que reiniciará o processo de negociação do Brexit.