Ferramentas DAPP

Entre críticas e polêmicas, Trump e Hillary até falam de propostas no último debate presidencial

O último debate presidencial antes das eleições dos Estados Unidos, na noite desta quarta-feira, 19 de outubro, em Las Vegas, manteve em certa medida o enredo dos dois primeiros confrontos entre Donald Trump e Hillary Clinton. Entretanto, mesmo entre trocas de acusações, questionamentos de natureza pessoal e a respeito de polêmicas associadas a ambos os […]

há 1 ano

O último debate presidencial antes das eleições dos Estados Unidos, na noite desta quarta-feira, 19 de outubro, em Las Vegas, manteve em certa medida o enredo dos dois primeiros confrontos entre Donald Trump e Hillary Clinton. Entretanto, mesmo entre trocas de acusações, questionamentos de natureza pessoal e a respeito de polêmicas associadas a ambos os lados, houve espaço para o debate de políticas públicas – e para a identificação de diferenças importantes no discurso de Trump e Clinton a respeito de assuntos importantes para os americanos.

A FGV/DAPP levantou a transcrição completa das falas de Trump e Clinton no debate e criou uma nuvem interativa com os principais termos que, ao longo das mais de duas horas de discussão na TV, foram citados por cada um, individualmente. No cruzamento do volume de referências a cada palavra pelos candidatos, fica possível observar com que frequência tanto a democrata quanto o republicano enfatizam assuntos da corrida eleitoral, e como Hillary é muito mais enfática em certos temas – e Trump, em outros.

Marca registrada da campanha de Trump, a construção de um muro (“wall”) na fronteira dos Estados Unidos com o México, por exemplo, foi citada nove vezes pelo candidato – as menções por Trump estão em vermelho; as por Hillary, em azul –, e nenhuma vez pela adversária. O mesmo predomínio existe no debate sobre comércio exterior (“trade”), Irã e violência, e em termos de força hiperbólica, como “tremendous” e “disaster”, muito usados pelo empresário para enfatizar as propostas que defende e as críticas a outros políticos e programas de governo.

Na fala de Clinton, economia e conquistas sociais

Hillary, por outro lado, é mais enfática em relação às mulheres – um forte ponto de distanciamento entre a ex-secretária de Estado e Trump –, à cobrança de impostos (“tax”), aos imigrantes, a direitos civis e às famílias, com um discurso de maior destaque para aspectos econômicos dos Estados Unidos. Contudo, quando o debate é direcionado à política externa de intervenção militar do país, ambos são igualmente participativos, com números parecidos de referências ao Estado Islâmico, aos conflitos na Síria e à guerra do Iraque. O presidente russo, Vladimir Putin, é citado dez vezes por Trump e cinco vezes por Hillary.

A nuvem interativa, que põe os termos em “bolhas” proporcionais ao volume de menções por cada candidato, passa por uma filtragem prévia de artigos, pronomes, preposições e conjunções, uma vez que o propósito desta pesquisa consiste na observação das diferenças e identidades temáticas das falas de ambos, privilegiando, portanto, substantivos e adjetivos, que melhor recobrem as figuras do discurso de Trump e Hillary.

Uma outra visualização realizada pela FGV/DAPP contempla o volume de menções, no mundo inteiro, a cada um dos candidatos entre as 21h de quarta-feira e as 03h de quinta (horários de Brasília) no Twitter, em qualquer idioma. Trump é mais citado que Hillary ao longo do debate, com maior destaque mais ao fim, ao se recusar a reconhecer o eventual resultado das eleições. E há mais proeminência de referências ao empresário dentro dos Estados Unidos, enquanto no restante do planeta os citações a Clinton e a ao republicano são mais equilibradas, em termos de volume.