Ferramentas DAPP

Morte de Marielle Franco mobiliza mais de 567 mil menções no Twitter, aponta levantamento da FGV DAPP

Pico de menções, cerca de duas horas após o crime, registrou média de quase 594 tuítes por minuto

há 3 meses

A morte da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, na noite da última quarta-feira (14), no Estácio, bairro da Zona Central da capital fluminense, teve expressivo impacto nas redes sociais, mobilizando 567,1 mil menções no Twitter em 19 horas (entre as 22h do dia 14/03 e as 17h do dia 15/03). Foram identificados dois picos de menções no período: um por volta de 23h50 de quarta-feira (14), com média de quase 594 tuítes por minuto, e outro a partir das 10h50 de quinta (15), alcançando média de 552 tuítes por minuto.

>> Leia mais: Morte de Marielle Franco mobiliza mais de 1,16 milhão de menções no Twitter

A título de comparação, o debate na mesma plataforma sobre a intervenção federal na segurança pública do estado somou 73,4 mil menções no mesmo período, como mostra o gráfico a seguir. Com o arrefecimento do impacto político e eleitoral sobre o assunto, a intervenção mobilizou 93,6 mil menções na última semana (entre as 10h do dia 06/03 e as 10h do dia 13/03), após um pico de 626,5 mil postagens nos dias subsequentes ao anúncio da medida (entre 0h do dia 15/02 e as 10h do dia 20/02), segundo coletas da FGV DAPP.

 

O nome da vereadora aparece em mais metade das publicações (60% do debate), em 340 mil menções. Além de palavras relacionadas à Marielle, entre as dez palavras mais usadas no debate estão “negra”, em 74 mil menções (ou 13%); “mulher” (10%, 62 mil) e “assassinada” (10%, 57 mil); “execução” e “executada”, com 57 mil menções cada (ou 9%). Esses dados destacam o debate sobre as motivações da morte da vereadora, colocando o fato como um assassinato e não uma tentativa de assalto.

A hashtag mais usada no debate, #mariellepresente, aparece em 44,7 mil postagens (ou 8% do debate) e constou dos trending topics do Twitter no Brasil. Outras hashtags mais usadas são #nãofoiassalto, em 17 mil postagens (ou 3%); #mariellefranco, em 11 mil postagens (ou 2%); e #mariellefrancopresente e #justiçaparamarielle, em cerca de 5,7 mil postagens (ou 1%) cada.

Dentre as postagens com maior repercussão, destacam-se as que exprimem comoção e choque pela morte da vereadora. Outras postagens relacionam sua morte com a sua atuação enquanto defensora dos Direitos Humanos e relatora da comissão que acompanhará a intervenção federal da segurança pública do Rio.

Além disso, repercutem tuítes ‒ através de compartilhamentos, comentários e menções ‒ feitos pela própria vereadora na véspera da sua morte e que fazem menção ao homicídio de um adolescente pela Polícia Militar e críticas à atuação da PM em Acari, bairro da Zona Norte do Rio.

Os cinco perfis que tiveram maior influência no debate ‒ cujas postagens foram mais compartilhadas, citadas e comentadas ‒ são o da usuária onika (@badgcat), cuja postagem questiona críticas direcionadas à Marielle; o do PSOL (@PSOLOficial), partido ao qual a vereadora era filiada; o da cantora Elza Soares (@ElzaSoares); do ator e colunista Gregório Duvivier (@gduvivier); e do perfil @xamilass, que faz críticas ao sistema combatido pela vereadora. Essas postagens usam a expressão “Marielle, presente” e compartilham o vídeo de campanha como formas de homenagem à vereadora.

Importante destacar que as menções a Marielle Franco expressam o seu perfil de mulher, negra e lésbica, que teve sua origem numa comunidade e era ativista dos direitos das mulheres e dos moradores de favela. O fato de ser uma parlamentar, eleita com número significativo de votos também é ressaltado.

Os grupos identificados pelas cores verde (58,45%), rosa (22.92%) e laranja (7,24%) compartilharam muitas mensagens de luto. No total, são responsáveis por mais de 88% do debate entre ontem e hoje sobre o assassinato da vereadora. Entre os tuítes mais populares nos grupos, há grande endosso à visão de que Marielle foi executada propositalmente, e que não se tratou de um crime comum. A hipótese mais levantada é que a polícia estaria de alguma forma envolvida com o homicídio. Por conta disso, o tuíte mais popular do grupo se opõe às críticas de que Marielle teria morrido por conta dos bandidos que defendia ao apoiar os direitos humanos, dando a entender que o bandido na verdade seria a polícia. A autora do tuíte, @badgcat, foi a principal influenciadora do debate.

Muitos tuítes falam da dificuldade de se colocar “contra o sistema”, e os internautas chegam a especular que a denúncia feita por Marielle no último domingo sobre ação de PMs do 41º BPM na favela de Acari teria sido o catalisador para o assassinato. Por conta disso, e também como forma de deixar viva suas memórias e seu trabalho em denunciar injustiças, muitas postagens da vereadora foram retuítadas e apareceram entre as mensagens mais populares do grupo, o que explica seu papel como segunda maior influenciadora do grupo.

Há também muita ênfase no fato da vereadora ser mulher, negra, lésbica e ativista. Gregório Duvivier, por exemplo, diz que estes foram os motivos pelo qual a vereadora foi assassinada — fala fortemente criticada pelo grupo em azul. Outros tuítes argumentam que o assassinato teria sido ocasionado por sua participação como relatora da Comissão de Representação de Acompanhamento da Intervenção Federal na Segurança. Além disso, muitos internautas concluem que deixar a execução explícita tem o objetivo de “provocar o medo e o terror em todxs que se opõem à violência assassina das forças de segurança”.

O grupo em azul claro (7,14%), por sua vez, foi responsável por pouco mais de 7% do debate. Mais afastado do restante dos grupos identificados, fez uso da discussão para criticar o PSOL, a esquerda e ativistas dos direitos humanos em geral. Os tuítes principais se questionam quanto ao posicionamento da esquerda e especificamente do PSOL sobre a punição de bandidos. Na visão de tais atores, a esquerda defende bandido e é contra a punição dos mesmos.

Flavio Morgenstern, principal influenciador do grupo, aproveita a oportunidade para endossar a legalização do porte de armas, dizendo que “gostaria de que seu assessor pudesse estar armado para proteger suas vidas”. Outro tuíte apoia a prisão perpétua e se pergunta se, diante de tal episódio, o PSOL vai continuar dizendo que “cadeia não resolve”. Além disso, o grupo critica o uso da morte de Marielle pela esquerda e principalmente pelo PSOL para uso político, que fariam uso do caso para sua militância e para disseminar sua visão ideológica. Ademais, em resposta a Gregório Duvivier, o grupo critica a visão de que a violência atingiria uma parcela da população mais do que outra, dizendo que “quem fala como se essa violência atingisse um grupo em especial comete uma grave injustiça ao que vem sofrendo toda a população”.

 


Veja mais sobre: , ,