FGV/DAPP lança Comitê de Segurança Pública com Cidadania que reúne pesquisadores acadêmicos de excelência, gestores públicos e operadores estratégicos da segurança

Criada em 2011 a Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) faz parte da Fundação Getulio Vargas (FGV), instituição de longa tradição no Brasil, dedicada à promoção econômica e social do país. A DAPP constituiu-se como um centro de ciências sociais aplicadas, voltada à compreensão de políticas públicas e seus efeitos. Sua missão é a de aumentar a transparência nas políticas públicas e abordar temas contundentes da agenda pública brasileira e internacional através de uma rigorosa abordagem das ciências sociais com uso intensivo de tecnologia da informação de ponta.

Atualmente, a Diretoria conta com diversas áreas de pesquisa aplicada, dentre as quais a de Segurança e Cidadania, que visa a promover um debate qualificado sobre políticas de segurança pública e as relações entre as diferentes unidades da Federação a respeito dessa temática, com ênfase em inovação e tecnologia, big data e visualização de dados.

Em 2015, para alcançar seus objetivos, a área de Segurança e Cidadania da FGV/DAPP se estruturou estrategicamente em três frentes de atuação: pesquisa social aplicada, análise de rede e big data, e a criação do Observatório de Segurança Pública com Cidadania ̶ com ênfase no Comitê de Segurança ̶ este lançado em 2016. A FGV/DAPP acredita que a partir dessa abordagem interdisciplinar das ciências sociais aplicadas, conjugada com as tecnologias da informação e comunicação, promove-se um maior diálogo com a sociedade civil conectada.

Através de parcerias com instituições-chave da segurança pública, a FGV/DAPP reúne bancos de dados que permitem pesquisar diversos aspectos da dinâmica da violência e da criminalidade no Rio de Janeiro e no país. Este tipo de análise permite oferecer retratos e interpretações sofisticadas da situação oficial da segurança pública. Com o intuito de disponibilizar esse conhecimento ao cidadão, a DAPP cria ferramentas interativas e estudos que permitem ao interlocutor compreender de forma pictórica as informações, bem como explorar os dados de forma a fazer suas próprias inferências. É importante salientar, ainda, que pesquisas desse tipo, como a Geografia do Encarceramento, contêm importantes insumos para a atuação do poder público, uma vez que apontam estratégias de investimento de recursos públicos ao indicar oportunidades de redução da população carcerária, através de investimentos específicos e do redirecionamento de ações de políticas públicas.

Outro pilar estratégico da FGV/DAPP é a experiência consolidada em análises de rede. Neste aspecto, a área de pesquisa aplicada em Segurança e Cidadania volta-se à análise de tecnologias cada vez mais inovadoras que vêm surgindo para atender esse campo. Conhecer e incorporar os avanços tecnológicos da sociedade contemporânea é aspecto essencial para pensar em políticas de segurança pública que respondam às necessidades dessa mesma sociedade.

Finalmente, com o intuito de ampliar os impactos na gestão da segurança pública, a FGV/DAPP criou o Observatório de Segurança Pública com Cidadania, do qual faz parte o Comitê de Segurança Pública com Cidadania. Composto por pesquisadores acadêmicos de excelência, gestores públicos e operadores estratégicos da segurança, o Comitê tem a função de debater criticamente as condições da segurança pública no Rio de Janeiro e no Brasil.

Através do arcabouço de pesquisas e análises de rede oferecidas pela Diretoria e apoiados no amplo conhecimento acumulado de seus membros, este coletivo tem a responsabilidade de propor soluções para a gestão da segurança pública no Rio de Janeiro e no Brasil, aliando tradição e inovação a fim de adaptar as tecnologias de gestão da segurança à era da informação digital.

Os 14 membros do Comitê se reuniram pela primeira vez em 26 de julho de 2016 na Fundação Getulio Vargas. O diretor da FGV/DAPP, Marco Aurélio Ruediger, coordenará as reuniões e suas temáticas, juntamente com o ex-subsecretário de Segurança Pública do Rio, Marcio Colmerauer.

Dentro do atual cenário da segurança pública no país, o Comitê vê como fundamental a aplicação de ações integradas pelo corpo de órgãos nas diferentes instâncias de poder. Ademais, o embasamento em dados e em tecnologias inovadoras, é tido como peça-chave para dar conta da gravidade da situação. Para tanto, serão abordadas temáticas como: propostas de municipalização da segurança pública, padronização de indicadores nacionais de violência criminal, circulação e controle de armamentos, aplicação de softwares para prevenção da criminalidade, entre outros, visando sempre a construção de diretrizes que auxiliem a estruturação de uma política de segurança pública.

Compartilhe

Sobre o autor

Isabel Couto
Doutora em Sociologia

Maria Isabel Macdowell Couto é Pesquisadora da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas e Doutora em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Roberta Novis
Doutora em Sociologia

Roberta Novis é Pesquisadora da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas e Doutora em Sociologia pela London School of Economics and Political Science.